A invasão de Israel – parte 4

Continuando nosso estudo da profecia de Ezequiel, vimos que essa guerra será liderada pela Rússia (Gog, Magog, Meseque e Tubal), e que participarão da ação There are three reasons for believing that Magog is Russia:a Pérsia, Cuxe, Pute, Gomer e Togarma. Também vimos que a Pérsia é o Irã, Cuxe é a Etiópia, Pute é a Líbia, Gomer pode ser identificado com a Alemanha ou a Europa Oriental, e Togarma seria a Turquia. Depois de estudar a Síria e a Rússia, ficamos de tentar responder se seria possível tal coligação de países numa invasão armada a Israel, pois a Etiópia, por exemplo, não parece ser capaz de participar de uma guerra externa. Mas e a Líbia?
Depois de passar boa parte dos anos 1980 na lista negra das nações que apoiavam organizações terroristas, a Líbia mudou de estratégia e tentou vender ao mundo a imagem de nação civilizada. Liderado há décadas pelo ditador Muammar Khadafi, famoso em outros tempos por financiar, treinar e abrigar movimentos terroristas dos mais diversos matizes, o país procurou se reaproximar das nações chamadas desenvolvidas e democráticas, e Khadafi foi visto ao lado de luminares como o Nicolas Sarkozy e Lula. Os líderes ocidentais, sempre de olho no petróleo, esqueceram-se momentânea e convenientemente de que Khadafi estava por trás do atentado que destruiu no ar um Boeing 747 (Jumbo) da PanAm próximo à cidade de Lockerbie, na Escócia, matando centenas de pessoas, e também foi figurinha carimbada durante a Guerra do Líbano na década de 1980, quando Israel se viu forçado a invadir o país vizinho a fim de tentar acabar com os terroristas do Hezbollah – situação bem similar à atual, onde a ação agora é ao sul e o inimigo é o Hamas.
Khadafi, num esforço para se tornar simpático ao Ocidente, reconheceu e assumiu a ação terrorista, e ainda pagou somas milionárias às famílias das vítimas de Lockerbie, como forma de indenização. Mas também buscava reatar laços diplomáticos rompidos desde quando fazia parte, junto com o Irã do aiatolá Khomeini e a União Soviética de Brejhnev, do então “eixo do mal”, como disse Ronald Reagan. Nada disto funcionou e Khadafi foi pego no meio da onda de revoltas que varreu o Oriente Médio: acabou como um cão danado, espancado e morto com um tiro na cabeça, deixando aos “rebeldes”, como Saddam Hussein, seus charutos, seus carros de luxo, suas esposas e seus castelos.
As mesmas perguntas que se fazem em relação ao Egito se aplicam à Líbia. Não se sabe ao certo qual será a direção que o novo governo tomará, se transformarão o país numa democracia à européia, de moldes neoliberais, ou se entrarão no caminho do radicalismo islâmico à moda do Hamas. Ninguém sabe até onde vai o desejo dos líbios por democracia e pela autodeterminação dos povos, conceitos que se aplicam a todas as nações, menos quando o assunto é Israel. Todos os árabes e muçulmanos querem Jerusalém, ignoram a história judaica, e pregam a completa extinção do Estado Judeu – se houver alguma exceção, por favor me avisem. Basta dizer que Trípoli, assim como Beirute e o Cairo, sempre foram em anos passados o que é hoje o Afeganistão e a Faixa de Gaza, esconderijo de terroristas, arsenal de onde saem bombas e mísseis para atentados e refúgio dos inimigos de Israel. Estou mentindo?
Poucos anos atrás, a Líbia negociou a compra de armas russas, de acordo com a agência de notícias russa Interfax. “Um acordo prevendo a conclusão da compra de um enorme carregamento de armas, valendo mais de 2 bilhões de dólares, pode ter sido feito durante a visita de Khadafi a Moscou”, disse uma fonte não-identificada da indústria armamentista à Interfax. Tanto a embaixada da Líbia em Moscou quanto a exportadora russa de armas se recusaram a comentar. Navios de guerra russos visitaram a Líbia indicando o estreitamento dos laços entre Trípoli e Moscou, que apoiou Khadafi durante a era soviética.
A Líbia possui sistemas de mísseis terrestres, como o S-300, o TOR-M1 e Buk, assim como vários aviões de guerra, dezenas de helicópteros e cerca de 50 tanques, disse a fonte consultada pela Interfax. Sabe-se de contratos para modernizar as armas líbias da época soviética, segundo a agência. A Líbia negociou outros 4,5 bilhões de dólares em dívidas com a Rússia pela compra de armamentos, segundo a Interfax. Muitas dívidas da época soviética são difíceis de mensurar, por terem sido feitas em rublos (fonte). E agora até o Brasil está vendendo aviões militares para a Líbia (leia aqui e aqui).
Que finalidade será dada aos armamentos do exército líbio? Agora de mãozinhas dadas com a OTAN, não restam ameaças externas à Líbia. Ao contrário do que se pensa, a União Européia, e não as nações árabes ricas, é a principal financiadora dos palestinos. A OTAN não se permitiria perder novamente o acesso aos poços de petróleo, e com certeza os defenderá com unhas e dentes. Então, o único inimigo externo da Líbia seria… Israel.
Motivos não faltam. Socorro a seus “irmãos palestinos”, por exemplo, é razão mais do que suficiente para formar uma coalização anti-Israel junto com os outros árabes e muçulmanos. E a isso, muito provavelmente, a ONU não se oporia, com a maioria dos países membros a favor da criação do Estado Palestino. De modo que a “solução final” de Hitler – o extermínio dos judeus – ainda é, hoje em dia, um sonho para muitos árabes/muçulmanos (e para alguns que comentam de vez em quando ne
ste blog). Uma guerra total de coalizão contra Israel pode ser o caminho, assim como somente uma “coalizão” conseguiu destronar Khadafi e, antes dele, Saddam Hussein.
Resta saber até que ponto os Estados Unidos, enfraquecidos política, econômica e diplomaticamente, conseguirão segurar a maré anti-Israel. Nota: não somos contra a criação do Estado Palestino, pois a autodeterminação dos povos é um conceito sagrado da democracia e da diplomacia internacional, embora as potências ocidentais se achem no direito de meter o pé na porta de qualquer um em nome de seus “valores” e interesses. Agora, um Estado palestino com capital em Jerusalém, historicamente capital de Israel há 3000 anos, retorno às fronteiras de antes da Guerra dos 6 dias (1967), retirada dos colonos judeus… aí já é assunto para se discutir longamente em outro artigo.
Basta dizer que árabes e/ou muçulmanos controlam 24 nações na região… 99,5% por cento do total das terras do Oriente Médio, enquanto cabem a Israel só 0,5% deste mesmo mapa. Porque nenhum desses países cogita ceder parte de seu vasto território aos “irmãos palestinos”? O Egito, por exemplo, poderia ceder o Sinai, que é ali pertinho de Gaza, e ainda poderia usar o território do Estado Palestino assim constituído como “tampão” entre si e Israel. Ou a Síria, que poderia ceder a Transjordânia aos seus queridos irmãos “sem terra”. Até onde a questão da eterna procura da paz no Oriente Médio está entrelaçada com os acontecimentos proféticos narrados na Bíblia? Quando, afinal acontecerá o tão sonhado acordo de paz entre Israel e seus vizinhos? O que podemos esperar? Na próxima semana, quando fecharmos essa série, talvez possamos vislumbrar um pouco do roteiro desse drama.
Até lá.
181470

Se gostou compartilhe!

The following two tabs change content below.
Sou o pastor Júlio Fonseca da Igreja de Deus no Brasil no município de Anhanguera - Go. Procuro ser útil na evangelização por meio deste meio de comunicação. Com paz e amor segundo nosso Senhor!

Latest posts by Pr. Julio Fonseca (see all)

Leave a Comment