O mundo vai acabar?

O que a Bíblia ensina sobre o futuro
Aproveitando que se aproxima a cômica data de 21 de dezembro de 2012, até há pouco tida como o último dia da espécie humana por conta do badalado calendário maia, continuo no assunto “o futuro”. Nas últimas postagens falei um pouco das profecias bíblicas – que não devem ser confundidas com meras adivinhações e “previsões de ano novo”, nem tampouco com as famosas “profetadas” que pululam em certos círculos pseudo-evangélicos por aí. O que o verdadeiro cristão deve esperar do futuro está unicamente na Palavra de Deus, e uma das mais caras esperanças cristãs é o evento chamado de “arrebatamento”.

A doutrina do arrebatamento pré-tribulacional é um ensinamento bíblico importante não só porque dá percepção quanto ao futuro, mas porque dá aos crentes uma motivação importante para uma vida contemporânea piedosa. O pré-tribulacionismo ensina que antes da tribulação, todos os membros do corpo de Cristo (vivos e mortos) serão levados nos ares para encontrar a Cristo e depois subirem ao céu.
O ensino sobre o arrebatamento é apresentado mais claramente em I Tessalonicenses 4:13-18. Nessa passagem Paulo informa aos seus leitores que os crentes vivos na época do arrebatamento se reunirão com os que morreram em Cristo antes deles. “Depois nós, os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e assim estaremos para sempre com o Senhor”(versículo 17). A palavra “arrebatados” traduz o verbo grego harpázo, que significa “tirar com força” ou “arrancar”.  As traduções em latim do Novo Testamento usavam a palavra raptare, que significa “arrebatar”, “arrastar”, e é a origem da palavra portuguesa “raptar”. Outras passagens que ensinam o arrebatamento usando termos diferentes incluem João 14:3; I Coríntios 15:51,52; I Tessalonicenses 1:10; II Tessalonicenses 2:1; Tito 2:13; Tiago 5:7,8; e I Pedro 1:13.

Quando acontecerá o arrebatamento? Pode acontecer a qualquer momento. Trata-se de um evento sem sinais e não precisa acontecer nada na história antes dele. O arrebatamento poderia ter acontecido a qualquer hora desde o primeiro século e sua ausência na história durante os últimos 2000 anos certamente nos aproxima mais dele.

O que é a doutrina da iminência? A doutrina da iminência é o ensinamento de que Jesus Cristo pode voltar e arrebatar a Igreja a qualquer momento, sem sinais ou aviso prévio. O Dr. Renald Showers define e descreve iminência da seguinte forma:

1 – Um evento iminente é aquele que “ameaça acontecer breve; que está sobranceiro; que está em via de efetivação imediata; impendente”. Então, iminência tem o sentido de que algo pode acontecer a qualquer momento. Outras coisas podem acontecer antes do evento iminente, mas nada mais precisa acontecer antes dele. Se alguma outra coisa precisa acontecer antes que um evento possa acontecer, este evento não é iminente. Em outras palavras, a necessidade de outra coisa acontecer primeiro destrói o conceito de iminência.
2 – Já que não se sabe exatamente quando um evento iminente acontecerá, não se pode esperar que um determinado espaço de tempo passe antes do evento iminente acontecer. Logo, devemos estar sempre preparados para que ele aconteça a qualquer momento.
3 – Não se pode marcar ou implicar legitimamente uma data para seu acontecimento. Logo que alguém marca a data para um evento iminente ele destrói seu conceito de iminência, porque assim está dizendo que um determinado espaço de tempo deve transcorrer para que este evento aconteça. Marcar uma data específica para um evento é contrário ao conceito de que ele pode acontecer a qualquer momento.
4 – Não se pode dizer legitimamente que um evento iminente acontecerá em breve. A expressão “em breve” implica que um evento tem que acontecer “dentro de curto tempo(após um determinado período de tempo especificado ou sugerido)”.  Em comparação, um evento iminente pode acontecer em breve, mas não tem que acontecer para ser iminente. Espero que entendam agora que “iminente” não é o mesmo que “em breve”. Várias passagens do Novo Testamento ensinam a iminência. Entre as mais citadas estão I Coríntios 1:7; 16:22; Tito 2:13; Hebreus 9:28; Tiago 5:7-9; Judas 21; Apocalipse 3:11; 22:7,12,17,20.

O que acontecerá depois do arrebatamento? Depois que Jesus Cristo arrebatar a Igreja, haverá aqui na Terra um período chamado de tribulação. É durante este período que o anticristo surgirá. Será possível marcar datas neste período de tempo futuro porque a Bíblia dá indicações de tempo precisas em termos de anos, meses, e dias. Isso não tem nada a ver com a atual era da Igreja. No fim desse período, Jesus Cristo voltará à Terra e estabelecerá o reino de 1000 anos (o reino milenar), a partir da Sua capital Jerusalém. Então haverá um julgamento final, seguido do estado eterno.

O que é a tribulação?É o período que segue o arrebatamento. As “70 semanas” de Daniel, profetizadas em Daniel 9:24-27, são o referencial em que a tribulação ou a septuagésima semana acontece.A “semana” a respeito da qual Daniel escreve é interpretada pela maioria dos estudiosos de profecia como sendo uma “semana de anos”, ou seja, sete anos. Estes anos seguem o intervalo das “sete semanas e sessenta e duas semanas” de Daniel 9:25. A septuagésima semana de Daniel indica um intervalo de tempo ao qual está relacionada uma série de termos bíblicos como: tribulação, grande tribulação, dia do Senhor, dia da ira, da aflição, da angústia, angústia de Jacó, dia de escuridão e tristeza, e ira do Cordeiro. O principal propósito de Deus para a tribulação é ela é que seja um tempo de juízo.

O que é a segunda vinda?A segunda vinda de Cristo se segue à tribulação. É o retorno de Cristo que encerra a tribulação. Quando Cristo voltar, o anticristo e seus exércitos serão destruídos e haverá um julgamento (Apocalipse 19:20,21). A segunda vinda precede imediatamente a prisão de Satanás (Apocalipse 20:1-3) e a inauguração do reino milenar. Ela é ensinada por toda a Bíblia, e entre as passagens mais importantes estão Mateus 24:27-30 e Apocalipse 19:11-16.

Qual a diferença entre a segunda vinda e o arrebatamento?São dois eventos distintos, separados no tempo pela tribulação. Um fator importante é entender o ensino do Novo Testamento de que o arrebatamento pré-tribulacional se baseia no fato de que duas vindas futuras de Cristo são apresentadas. A primeira vinda é o arrebatamento da Igreja entre as nuvens antes da tribulação, ao passo que a segunda vinda acontece no final da tribulação quando Cristo voltar à terra para começar Seu reinado de 1000 anos. Quem quiser entender o ensino bíblico do arrebatamento e da segunda vinda acabará entendendo que as Escrituras ensinam duas vindas futuras.

O arrebatamento é apresentado claramente em 1 Tessalonicenses 4:13-18. Ele é caracterizado na Bíblia como uma “vinda acompanhada de um traslado” (I Coríntios 15:51,52; 1 Tessalonicenses 4:15-17) em que Cristo vem para Sua Igreja. A segunda vinda é Cristo voltando comos Seus santos, descendo do céu para estabelecer Seu reino terreno (Zacarias 14:4,5; Mateus 24:.27-31). As diferenças entre os dois eventos são harmonizadas naturalmente pela posição pré-tribulacionista, enquanto outras posições não conseguem explicar adequadamente essas diferenças.
Alguns autores, como o respeitado Russell Shedd, acham que a Igreja passará pela tribulação, como uma forma de “purificação”. Segundo pensam, quando Jesus afirma que “o evangelho do reino será pregado a todas as nações”, “então virá o fim”. De acordo com esse raciocínio, é preciso acelerar a evangelização para “apressar a volta do Senhor”. Só assim “aparecerá no céu o sinal do Filho do homem, e todas as tribos da terra se lamentarão, e verão vir o Filho do homem sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória”. Afirmam que nesse momento aconteceria o arrebatamento e os crentes, logo após subirem para encontrar com o Senhor nos ares, retornariam imediatamente para a batalha do Armagedom. Ora, todo este arrazoado está equivocado, por uma simples razão. O sermão profético registrado em Mateus 24 e 25 foi dito a Israel e aos judeus, e não à Igreja, que na ocasião ainda era um mistério oculto em Deus, e não havia ainda sido estabelecida (o que só ocorreria em Atos cap. 2). Para mais detalhes dessa exposição, leia aqui.

O que são o milênio e o estado eterno? O milênio é a doutrina bíblica e o conceito teológico do reinado de 1000 anos de Jesus Cristo na terra. O reino milenar será um reino terreno em que Cristo reinará a partir de Jerusalém e em que todos os detalhes da “promessa da terra” feita a Abraão (Gênesis 12:7) serão cumpridos (Ezequiel 47-48). O fato de o reino ser terreno pode ser visto em passagens tais como Isaías 11 e Zacarias 14:9-21. Outras passagens detalhadas incluem: Salmo 2:6-9; Isaías 65:18-23; Jeremias 31:12-14, 31-37; Ezequiel 34:25-29; 37:1-6; 40-48; Daniel 2:35; 7.13,14; Joel 2:21-27; Amós 9:13,14; Miquéias 4:1-7; e Sofonias 3:9-20.

O Novo Testamento também dá testemunho importante deste reino futuro na medida em que dá continuidade à visão vétero-testamentária de um reino milenar futuro. É o reino milenar de que Jesus falou durante a ceia de páscoa antes de ser traído e crucificado: “A seguir tomou o cálice e, tendo dado graças, o deu aos discípulos, dizendo: bebei dele todos; porque isto é o meu sangue, o sangue da [nova] aliança, derramado em favor de muitos, para remissão de pecados. E digo-vos que, desta hora em diante, não beberei deste fruto da videira, até aquele dia em que o hei de beber, novo, convosco no reino de meu Pai” (Mateus 26:27-29; veja também Marcos 14:25; Lucas 22:18). É a respeito desse reino milenar que trata o evangelho do reino, diferentemente do evangelho da graça. Leia mais aqui.
A passagem mais extensa do Novo Testamento relativa ao milênio é Apocalipse 20, em que João descreve uma seqüência cronológica: a prisão, a rebelião, e o julgamento de Satanás no milênio. Em Apocalipse 20:2-7 aparece seis vezes o número 1000, enfatizando a duração do reinado terreno de Cristo. Apesar de Apocalipse 20 ser o único lugar na Bíblia onde a duração exata do reinado de Cristo é mencionada, o reino em si é mencionado e descrito dezenas de vezes em toda a Bíblia (por exemplo, Isaías 60; 62; 65:17-66:24; Jeremias 31; Ezequiel 40-48; Daniel 2:44,45; 7:27; 12:1,2; Zacarias 14:8-21).
O reino futuro de Deus terá duas fases diferentes, o milênio e o estado eterno. Mas a grande ênfase da Bíblia está no reinado de 1000 anos de Cristo no Seu governo futuro conhecido como milênio. O milênio é uma realidade bíblica que ainda será concretizada. No fim do milênio haverá um julgamento final, conhecido como o “julgamento do grande trono branco”, dos descrentes mortos que ressuscitarão naquela ocasião (Apocalipse 20:11-15). Os descrentes serão lançados no lago de fogo e os crentes entrarão para o estado eterno descrito em Apocalipse 21-22.

E você, de que lado estará naquele dia?

Compilado e resumido a partir de um estudo da revista Chamada da Meia Noite

189730

Se gostou compartilhe!

The following two tabs change content below.
Sou o pastor Júlio Fonseca da Igreja de Deus no Brasil no município de Anhanguera - Go. Procuro ser útil na evangelização por meio deste meio de comunicação. Com paz e amor segundo nosso Senhor!

Outras postagens por Pr. Julio Fonseca (veja tudo)

Leave a Comment