O plano de Deus sempre foi salvar o homem

O plano de Deus sempre foi salvar o homem

Em Teologia, entende-se o Plano da Salvação como a materialização da ação de Deus em salvar o homem; parte da doutrina da Soteriologia. Deus por sua essência é Amor; esse é um atributo comunicável de Deus, sem o qual ele não seria completamente Deus, apenas uma deidade. Antes de criar a Terra, Deus já havia criado outros planetas, e neles estabelecido formas de vida. Ao criar esse planeta, Deus dotou os seres humanos com o Livre arbítrio, ou seja, a capacidade de tomar suas próprias decisões.
A forma de avaliar e controlar esse Livre Arbítrio, segundo a Bíblia, foi colocar uma árvore no meio do Jardim do Édem, para que se pudesse optar em obedecer ou não a Deus. A Desobediência a essa regra, acarretaria em Pecado, afastando assim o homem de Deus.
Deus em sua sabedoria, já havia estabelecido uma forma de livrar o homem, caso ele cometesse tal pecado, por seu amor e misericórdia, Ele sabia que sendo o doador da vida, ao se afastar dEle, o homem morreria. O preço pago pela desobediência teria que ser a morte, causa natural do afastamento de Deus. O Plano da Salvação consistia em alguém morrer pelo pecador, para que esse pudesse ser redimido; mas não poderia ser um outro pecador, porque essa morte não teria sentido, nem poderia ser um Anjo, porque o sacrifício não seria suficiente, visto que os Anjos, também estão sujeitos à Deus, obedecem-lhe, possuem a opção do Livre Arbítrio, e não têm poder sobre a Morte.
Resta apenas o próprio Deus, que seria um sacrifício suficiente para salvar o pecador de sua condenação eterna, a morte;
Nisso consistia o Plano de Salvação estabelecido por Deus antes mesmo da criação do mundo, de que seu mandamento era tão importante, que só o próprio Deus, morrendo, poderia livrar alguém da culpa pelo pecado, garantindo assim o perdão para o pecador.
Teria Deus criado o homem para depois deixar o homem morrer? Qual é plano de Deus para o ser humano?
A Bíblia nos revela que Deus criou o homem perfeito, sem mancha e sem mácula, porque Deus é perfeito e as Suas obras são perfeitas. Mas quando o pecado entrou no mundo, nossos primeiros pais – Adão e Eva – se corromperam espiritualmente, arruinaram o seu caráter. Tornaram-se inimigos de Deus e deixaram de lado os santos princípios de Seu reino.
E foram tão longe na degradação, que não conseguiram mudar a sua condição pecaminosa, por si mesmos. Mais que isto: Como pecadores, passaram a ter sobre si uma sentença de morte. A Escritura diz: “…o salário do pecado é a morte”. Romanos 6.23
Esta sentença de morte passou a todos os membros da família humana.
Foi em face desta grave condição do homem que Deus pôs em ação o Seu plano de salvação. Na previsão de Deus o plano já estava traçado quando nossos primeiros pais pecaram.
Ele viu que o homem pecaria e de antemão tomou providências para sanar o mal. Pedro, falando do sacrifício de Cristo afirmou que Ele foi “conhecido… antes da fundação do mundo, porém manifestado no fim dos tempos, por amor de vós”. I Pedro 1:19, 20.
Assim, tão logo Adão e Eva pecaram, Deus interveio e anunciou o Seu grande plano. “Porei inimizade entre ti e a mulher (que enganaste)”, disse Ele a Satanás, “entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar.” Gênesis 3:15 Aí está o plano em resumo: O Filho de Deus viria em socorro do homem.
Foi para poder salvar o homem que o Filho de Deus Se fez membro da família humana. Nascendo de Maria, ele se fez homem, viveu como homem, sem deixar de ser Deus e sem cometer pecado algum.
Tendo a Sua humanidade unida ao Pai, Ele produziu a vida perfeita que a lei de Deus requer.
Foi um fardo muito grande que Cristo carregou. Ele assumiu os pecados do mundo. Ele assumiu os meus e os teus pecados. Foi julgado e foi injustamente condenado. Levou 39 chibatadas. O Seu corpo ficou todo ferido e pedaços de sua carne foram arrancados, pelas chicotadas, que foram dadas pela vigorosa mão do carrasco. Como se não bastasse, colocaram em Sua cabeça uma coroa de espinhos, que fez o sangue jorrar pela sua face.
A pesada cruz , foi levada por Jesus, pelas estreitas ruas. Ele caiu, mas se levantou. Se levantou porque pensou em você, pensou em mim, e em todos que um dia viriam aceitar o Seu sacrifício. Grandes pregos perfuraram aquelas mãos que só fizeram o bem, e os pés que só caminhavam para cumprir a missão de levar o amor do Pai áquelas almas famintas de sede e de pão.
Quando a cruz foi jogada dentro do buraco escavado na rocha, Jesus estremeceu de dor. Mas, ele suportou, por você e por mim. Teve sede e lhe deram vinagre para beber, e ao expirar na cruz o Salvador bradou: “Está consumado!” Estava cumprida a sua missão no mundo. Os infinitos méritos de Jesus, mais do que cobriram a culpa do mundo. Estava assim aberta a porta da salvação de quantos queiram ser salvos.
Como podemos nos apropriar do bem que Cristo nos comprou a tão alto preço? Crendo nEle como nosso Salvador pessoal, recebendo-O no coração pela fé. Se confessarmos nossos pecados a Deus, não importa quantos e quão graves sejam, com certeza seremos perdoados. A promessa é: “Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça”. I João 1:9. O Salvador muda o nosso coração, e nos faz cessar de pecar.
Recebendo a Cristo na sua vida você está tornando a Jesus o Senhor de sua existência, recebendo a vida plena, a vida abundante; estará rompendo o muro de separação; estará em comunhão com Deus e será vitorioso sobre o pecado!
Que tenhamos a preciosa atitude de adotarmos Cristo, o amigo divino, que nos amou ao ponto de dar por nós a própria vida, para nos livrar da perdição eterna.
Não há atitude mais valiosa do que esta. Aceitar o sacrifíco de Cristo na cruz do Calvário.
Um dia pela graça de Deus, vamos ver as feridas nas mãos de Jesus.
Talvez até perguntemos: Que feridas são estas? As feridas representam o plano da Salvação.
Aceitemos Jesus e Seu sacrifício.
SEM DERRAMAMENTO DE SANGUE NÃO HÁ REMISSÃO DE PECADOS
Hebreus 9:19-23
Cristo derramou o Seu sangue. O sangue  de Jesus Cristo, o Seu Filho, nos purifica de todo o pecado. Sem derramamento de sangue não há remissão. Fostes comprados com o precioso sangue de Cristo. Etc., etc.. Isto para não falar dos muitos sacrifícios de sangue mencionados no Velho Testamento.
Porquê na Bíblia se fala tanto do “sangue” e se lhe dá tanto valor? Muita gente acha  os sacrifícios de sangue repulsivos e entendem que a Bíblia não devia falar tanto do assunto, que se devia trocar a linguagem cruenta por outra mais suave.
Não. Mil vezes não, porque falar do sangue de Cristo é falar de vida e da única possibilidade que o homem tem para a vida eterna. Além disso, não é o homem que faz a Palavra, mas ela é inspirada pelo Espírito Santo de Deus e é imutável, viva, santa e única, que nos comunica a vida do céu. A Palavra é a voz de Deus para o homem.
O sangue de Cristo é vida. O homem está morto em seus delitos e pecados e só o sangue incontaminado de Cristo pode lavar a cédula que nos é contrária, acabar com a doença e a morte e dar-nos vida abundante. O próprio Filho Se tornou sacrifício cruento para dar-nos a vida de que estávamos privados, por causa do pecado, que nos gerou a morte.
Sem derramamento de sangue não há remissão. Bendito o sangue de Cristo, oferecido no Calvário, porque, por ele,  fomos comprados por Deus, para sermos o Seu mais excelente tesouro, pois uma alma vale mais que o mundo inteiro.
“Sim, quase todas as coisas são purificadas com sangue, segundo a Lei, e a menos que se derrame sangue, não há perdão.” (Hebreus 9:22)
Paulo estava fazendo alusão aos sacrifício tipicos da lei Mosaica. Falando de maneira simples, pode-se dizer que quando uma pessoa comete uma pecado (um erro de acordo com os padrões de moral e espiritual de Deus) a pessoa tinha que fazer uma compensação, o Criador, sendo Justiça, não pode simplesmente desconsiderar o pecado.
Mas, depois de errarmos tanto, o que poderíamos dar a Deus para compensar? Nas Escrituras, a coisa mais importante que existe para Deus é a vida, que está no sangue. Por isso que as Escrituras dizem que o preço pago pela pecado é a morte [do pecador] – cf. Romanos 6.23
Quando o Israelita matava o animal em sacrifício, na verdade, de maneira simbolica, o animal tava morrendo em seu lugar, porque ele – o homem – era o culpado, e ele então é que devia morrer; mas segundo a benevolência de Deus, ele permitia que um animal limpo servisse como expiação em seu lugar. Os sacrificios, acima de tudo, apontava para o Sacrificio de Cristo, que é o assunto da epístola aos hebreus.
Então, já que o sangue [ou vida] é a coisa mais importante e valiosa do ponto de vista de Deus, é a única coisa que pode compensar seus pecados e erros morais diante Dele. Então, sem derramar o sangue [do sacrificio] não há perdão. Mas, como Cristo derramou seu sangue em seu lugar, você não precisa mais pagar, pois ele pagou em seu lugar.
Perdão de Deus – O que é necessário?
A Bíblia nos ensina qual é o dispendioso requerimento para o perdão de Deus: “Sem derramamento de sangue, não há remissão” (Hebreus 9:22). No Antigo Testamento, os sacrifícios contínuos de cordeiros puros eram necessários para satisfazer a ira e julgamento de Deus. No entanto, Jesus Cristo, o Filho de Deus, morreu em uma cruz romana e tornou-se o sacrifício último e definitivo pelos nossos pecados. Jesus comprou o perdão de Deus em nosso nome quando se tornou o Cordeiro de Deus e morreu na cruz por você e eu.

“Pois também Cristo morreu, uma única vez, pelos pecados, o justo pelos injustos, para conduzir-vos a Deus” (1 Pedro 3:18). “…no qual temos a redenção, pelo seu sangue, a remissão dos pecados, segundo a riqueza da sua graça” (Efésios 1:7).
Perdão de Deus – Ele pagou o preço
Deus odeia o pecado, mas ama o pecador. O preço do perdão de Deus é elevado, mas Ele mesmo pagou esse preço. Através do ato amoroso da graça de Cristo, os seguidores de Cristo são eternamente livres da pena e da culpa do pecado. Uma vez que estamos cobertos pelo Sangue de Cristo, Deus não mantém um registro dos nossos pecados. O nosso perdão é total e completo.
“Bem-aventurado aquele cuja iniquidade é perdoada, cujo pecado é coberto. Bem-aventurado o homem a quem o SENHOR não atribui iniquidade e em cujo espírito não há dolo” (Salmo 32:1-2).
“Eu, eu mesmo, sou o que apago as tuas transgressões por amor de mim e dos teus pecados não me lembro” (Isaías 43:25).
“Quanto dista o Oriente do Ocidente, assim afasta de nós as nossas transgressões” (Salmo 103:12).
Perdão de Deus – De uma vez por todas!
Um crente recebe o perdão de Deus ao se arrepender dos seus pecados e colocar sua fé em Jesus Cristo para a salvação – assim todos os seus pecados são perdoados para sempre. Isso inclui pecados do passado, presente e futuro, grandes ou pequenos. Jesus morreu para pagar a penalidade pelos nossos pecados, e uma vez que são perdoados, eles estão todos perdoados (Colossenses 1:14, Atos 10:43). No entanto, quando tropeçamos, somos chamados a confessar os nossos pecados – “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça” (1 João 1:9). Sim, os cristãos ainda pecam (1 João 1:8) – mas a vida cristã não pode ser caracterizada como uma vida cheia de pecado. Os seguidores de Cristo são uma nova criação (2 Coríntios 5:17). Temos o Espírito Santo em nós produzindo bons frutos (Gálatas 5:22-23). A vida Cristã deve ser uma vida transformada. Uma pessoa que afirma ser um crente mas ainda continuamente vive uma vida que afirma o contrário deve questionar a autenticidade da sua fé. Os cristãos são perdoados não importa quantas vezes pequem, mas ao mesmo tempo, os cristãos devem viver uma vida progressivamente mais santa à medida que crescem mais e mais em Cristo.
Os Cristãos continuam a pecar depois de serem salvos – não seremos livres do pecado até morrermos ou até Jesus voltar. No entanto, tornar-se um Cristão resulta em uma vida transformada (2 Coríntios 5:17). Uma pessoa deixa de produzir os atos da carne (Gálatas 5:19-21) para produzir o fruto do Espírito (Gálatas 5:22-23). Esta mudança não acontece imediatamente, mas ao longo do tempo. Paulo nos diz: “Tais fostes alguns de vós; mas vós vos lavastes, mas fostes santificados, mas fostes justificados em o nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito do nosso Deus” (1 Coríntios 6:11).

Fonte: http://unidosnapalavradedeus.blogspot.com/2012/10/o-plano-da-salvacao.html



Compartilhe esta postagem eu sua rede social!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *