Mateus 13:44-58

 Mateus 13.44-58

44 O reino dos céus é semelhante a um tesouro oculto no campo, o qual
certo homem, tendo -o achado, escondeu. E, transbordante de alegria,
vai, vende tudo o que tem e compra aquele campo.
45 O reino dos céus é também semelhante a um que negocia e procura boas pérolas;
46 e, tendo achado uma pérola de grande valor, vende tudo o que possui e a compra.
47 O reino dos céus é ainda semelhante a uma rede que, lançada ao mar, recolhe peixes de toda espécie.
48 E, quando já está cheia, os pescadores arrastam-na para a praia e,
assentados, escolhem os bons para os cestos e os ruins deitam fora.
49 Assim será na consumação do século: sairão os anjos, e separarão os maus dentre os justos,
50 e os lançarão na fornalha acesa; ali haverá choro e ranger de dentes.
51 Entendestes todas estas coisas? Responderam-lhe: Sim!
52 Então, lhes disse: Por isso, todo escriba versado no reino dos céus é
semelhante a um pai de família que tira do seu depósito coisas novas e
coisas velhas.
53 Tendo Jesus proferido estas parábolas, retirou-se dali.
54 E, chegando à sua terra, ensinava-os na sinagoga, de tal sorte que se
maravilhavam e diziam: Donde lhe vêm esta sabedoria e estes poderes
miraculosos?
55 Não é este o filho do carpinteiro? Não se chama sua mãe Maria, e seus irmãos, Tiago, José, Simão e Judas?
56 Não vivem entre nós todas as suas irmãs? Donde lhe vem, pois, tudo isto?
57 E escandalizavam-se nele. Jesus, porém, lhes disse: Não há profeta sem honra, senão na sua terra e na sua casa.
58 E não fez ali muitos milagres, por causa da incredulidade deles.
As breves parábolas do tesouro
e da pérola enfatizam duas verdades maravilhosas: a primeira, o grande
valor que a Igreja tem para Cristo, pois Ele vendeu tudo o que tinha para adquiri-la
– desistindo até mesmo da Sua própria vida. Em segundo lugar,
vemos o gozo que Ele tem nela. No versículo 47, a rede do Evangelho é
lançada no mar das nações. O Senhor disse a Seus discípulos
que faria deles pescadores de homens. Eis aqui, pois, os servos trabalhando.
Mas nem todos os peixes são bons… nem todos os que se dizem cristãos
são verdadeiros cristãos! É a Palavra que permite distingui-los:
o bom peixe se reconhece pelas suas escamas e por suas barbatanas (Levítico
11:9-11), e o verdadeiro crente por sua armadura moral, pela sua capacidade
de resistir à penetração do mal e a ser levado pela corrente
deste mundo.
Da mesma forma que o Senhor encontra
um tesouro nos Seus (v. 44), o versículo 52 nos mostra o tesouro
que o discípulo encontra em Sua Palavra. Você considera a Bíblia
um tesouro de onde se podem tirar “cousas novas e velhas”?
Este capítulo termina tristemente
com a incredulidade das multidões. O povo via em Jesus apenas o “filho
do carpinteiro”, de maneira que Sua graça não pôde
ser mostrada a eles.
Todo dia com  Jesus

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.