O cristão e a justiça brasileira

Ida Gospel
O CRISTÃO E A JUSTIÇA BRASILEIRA

A Constituição Federal da Republica Federativa do Brasil estabelece, em seu art. 5º, inciso VII, que é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias. A mesma Lei Maior garante ainda que ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei (art. 5º, inciso VII).

Tais dispositivos representam a matriz constitucional do direito de religião, concebido como uma das principais garantias da pessoa humana, com assento na Declaração Universal dos Direitos Humanos: “Todo homem tem direito à liberdade de pensamento, consciência e religião; este direito inclui a liberdade de mudar de religião ou crença e a liberdade de manifestar essa religião ou crença pelo ensino, pela prática, pelo culto e pela observância isolada ou coletivamente, em público ou em particular” (art. 18). Trata-se, portanto, de uma liberdade pública, um direito fundamental, do qual decorrem outras garantias, a exemplo da liberdade de culto, o direito à assistência religiosa, organização religiosa, imunidade tributária e o direito ao ensino religioso de matrícula facultativa nas escolas públicas.

OFENSIVAS CONTRA A LIBERDADE DE CRENÇA E MANIFESTAÇÃO DO PENSAMENTO

Apesar da previsão em nossa Lei Maior, nos últimos anos essas garantias têm sofrido várias ofensivas. O processo de secularização e a intensificação dos ataques de setores liberais tem feito surgir um cenário de instabilidade e de preocupação para os grupos religiosos, notadamente para aqueles que defendem valores morais históricos, como é o caso dos evangélicos. Nesse sentido, vemos a intensificação das retaliações contra líderes religiosos que se pronunciam sobre temas controversos como a questão da homossexualidade, aborto e a eutanásia. Além disso, percebe-se também uma tentativa velada de afastar os religiosos dos debates públicos e das discussões de interesse geral da sociedade, ao argumento de o Estado ser laico.

Como escreveu Dinesh D´Souza: “Hoje, tribunais interpretam de modo errôneo a separação entre Igreja e Estado, no sentido de negar à religião seu espaço na arena pública ou impedir que a moralidade derivada da religião molde nossas leis. Parecem desejar substituir liberdade de expressão por liberdade longe da expressão religiosa. Os secularistas querem varrer para longe da praça pública tanto a religião quanto a moralidade baseada na religião, para que possam monopolizar o espaço comum da sociedade com sua próprias visões. No processo, transformam os cristãos religiosos em cidadãos de segunda classe. Essa é uma profunda distorção de uma ideia nobre que também é uma ideia cristã. As separação das esferas não deveria ser uma arma contra o Cristianismo; pelo contrário, é um recurso provido pelo Cristianismo para promover a paz social, a liberdade religiosa e uma comunidade moral”. (A verdade sobre o cristianismo, p. 75)

O CRISTÃO E O DIREITO

Dentro desse contexto, notamos cada dia mais a importância do seguimento evangélico dar a devida importância ao mundo jurídico, com especial atenção paras as discussões legislativas levadas a efeito no Congresso Nacional e para os julgamentos nos tribunais superiores, principalmente no Supremo Tribunal Federal. Isso porque, tanto as leis como as decisões judiciais afetam diretamente nossa vida, seja positiva ou negativamente. Ao regulamentar a vida em sociedade segundo os preceitos estabelecidos pelo Estado, o Direito faz parte do cotidiano das pessoas e por isso precisa ser conhecido e valorizado.

Lecionando a disciplina de Direito em um curso de Teologia, tenho chamado a atenção dos alunos para a importância do tema. O Direito é uma matéria interdisciplinar, que deve ser apreciada não somente pelos juristas, mas pelos profissionais de todas as áreas, afinal as relações jurídicas permeiam e afetam nossa vida do nascimento até a morte. No caso dos teólogos, além do cenário anteriormente apontado, as noções elementares do Direito são válidas em razão da necessidade de se compreender todos os aspectos legais que envolvem os direitos e deveres das igrejas e dos membros.

Além disso, a compreensão do Cristianismo como uma visão de mundo abrangente também aponta para a necessidade dos cristãos se importarem com o mundo jurídico. Dentro dessa compreensão, para além de uma mera experiência ou devoção pessoal, o Cristianismo genuíno é a interpretação de toda a realidade, o que implica dizer que nenhuma área da vida humana escapa da soberania divina, inclusive o Direito, o qual deve ser visto, dentro de uma perspectiva bíblica, como o meio pelo se garantir a pacificação social, segundo preceito morais absolutos.

Com efeito, o inconformismo realçado pelo apóstolo Paulo em Romanos 12.2 precisa ir além dos temas morais, para abarcar também o mundo jurídico, devendo os cristãos se insurgir contra as concepções jurídicas que contrariem o direito à liberdade de crença previsto na Carta Magna e que afetem a dignidade da pessoa humana.

A CRIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JURISTAS EVANGÉLICOS – ANAJURE

Por conta disso, vale enaltecer a criação, no Brasil, da Associação Nacional de Juristas Evangélicos, formada por operadores do Direito cuja missão institucional primordial é a defesa das liberdades civis fundamentais – em especial a liberdade religiosa e de expressão – e a promoção dos deveres e direitos humanos fundamentais – em especial o princípio da dignidade da pessoa humana, tudo isso sob a égide e as bases principiológicas do Cristianismo e do seu consectário histórico, o Estado Democrático de Direito.

Dentro os objetivos da instituição, estão:

a) constituir-se como uma entidade de promoção e defesa das liberdades civis fundamentais, dos ideais do Estado Democrático de Direito e dos valores do Cristianismo, em especial, a defesa da dignidade da pessoa humana;

b) constituir-se como uma entidade de auxílio e defesa administrativa e jurisdicional das igrejas e denominações evangélicas, em especial, nos casos de violação dos direitos fundamentais de liberdade religiosa e de expressão;

c) constituir-se como um fórum nacional de discussão sobre o ordenamento jurídico brasileiro, sobre os projetos de lei em tramitação, sobre as propostas de políticas públicas governamentais, especialmente no que diz respeito aos deveres e direitos humanos fundamentais;

d) constituir-se como uma entidade fomentadora e promotora de métodos alternativos de resolução de conflitos;

e) constituir-se como uma entidade promotora de programas, projetos, atividades e ações que visem ao amparo dos chamados grupos vulneráveis da sociedade brasileira;

f) constituir-se como uma entidade que busca a consecução de parcerias nacionais e internacionais com instituições de mesmo caráter e finalidades, como é o caso, verbi gratia, da Alliance Defending Freedom (ADF), da Advocates International, da Federación Interamericana de Juristas Cristianos, do Centro de Bioética Persona y Familia;

g) constituir-se como uma entidade fomentadora e promotora de intercâmbios, missões, cursos, congressos, encontros, com o fulcro de capacitação dos seus associados, assim como também com o fulcro de promoção e disseminação dos seus valores institucionais, em especial, a defesa das liberdades civis fundamentais;

h) constituir-se como uma entidade promotora de networking e netweaving entre os seus associados e cooperadores.

Além de ressaltar em sua atuação o princípio da dignidade da pessoa humana, o fortalecimento do Estado Democrático de Direito, e a defesa dos direitos humanos fundamentais, como expressão desses, a ANAJURE se coloca como uma voz da sociedade brasileira que lutará contra toda e qualquer forma de tirania e violação de direitos, assim como será uma instituição partícipe das discussões dos projetos de lei e das propostas de políticas públicas governamentais que disciplinem o exercício das liberdades civis fundamentais.

O lançamento da entidade está marcado para o dia 29/11/2012, na Câmara dos Deputados Federais, em Brasília/DF.

Conheça o site da ANAJURE.

Compartilhe esta publicação

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on print
prjulio

prjulio

Pastor da Igreja de Deus no Bairro Santa Terezinha - Catalão/Go. Pastoreando a 16 anos, pai de 5 filhos, Servo do Deus altíssimo, utilizando a internet como meio de propagação da palavra de Deus a quem desejar. Com humildade e amor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *