...

Não Mais Eu, Mas Cristo

Este assunto que vamos tratar diz respeito ao que o Senhor tem operado muito intensamente em nossa congregação nestes dias. Em contato com irmãos de outras localidades pude perceber que as intenções do Senhor com relação a esta palavra são muito maiores, pois é o que Ele tem falado em todos os lugares.

Deus quer operar algo muito profundo em nossas vidas. Algo que realmente coloque no lugar o eixo de nossa vida cristã. Ele não quer restaurar o louvor, a adoração, avivar as reuniões, levantar ministérios ou derramar dons. Ele quer você! Sua vida! Tendo completamente a você, a mim e a nós todos, progressivamente ele fará aquelas demais coisas.

I – Nossa situação

A vida que Deus tem para nós é cheia de descanso, gozo, poder, santidade. É uma vida que não conhece derrota, é triunfante, frutífera e caminha no centro de Sua vontade conforme a semelhança de Jesus

Precisamos perguntar: É este o tipo de vida que estou vivendo? Sou justo como Jesus? Perdôo como Jesus? Sou humilde como Ele? Amo como Ele? Sou manso como Ele? Sou vitorioso sobre o pecado?

Se a resposta for “sim” para todas as essas perguntas, ótimo! Pule para o último ponto final deste texto e continue vivendo assim.

Senão, precisamos nos humilhar, a fim de ver nossas falhas e receber a graça de Deus (Tg 4:6). Se na sua vida diária existe inveja, incredulidade, crítica, falta de oração, falta de consagração, adultério, apegos excessivos, pensamentos impuros, gula, dureza de coração, falatório, irritação, falta de interesse pela Palavra, desejo de sempre levar vantagem, pecados encobertos, etc. Então precisamos nos humilhar e reconhecer que temos falhado e fracassado em viver a vida que Deus quer. Devemos nos voltar para a Palavra com coração quebrantado e pedir ao Espírito Santo que opere em nós com sua maravilhosa graça.

II – A vida que Deus planejou para seus filhos

Vou relacionar abaixo apenas alguns itens os quais creio que fazem parte da vida abundante que Deus tem para TODOS nós:

1) Uma vida liberta dos pecados (Mt 1:21)

2) Uma vida que tem íntima comunhão com Deus (Lc1:69,74-75)

3) Uma vida que se satisfaz plenamente com Jesus (Jo 4:14)

4) Uma vida liberta do poder do pecado (Rm 6:14)

5) Uma vida que comunica vida (Jo7:37-38)

6) Uma vida que não se abala com as circunstâncias (Rm 8:35-37)

7) Uma vida que pratica o bem (Ef 2:10)

8) Uma vida cheia de Luz (Jo8:12)

9) Uma vida totalmente santificada (1Ts5:23)

É possível viver esta vida ?…

– SIM!! E JÁ !! Porque esta vida é Cristo em nós, esperança da Glória!

Este tipo de vida é uma dádiva, porque é Deus quem nos dá. É uma vida obtida e não conquistada. É uma vida substituída e não modificada, pois “não sou mais eu quem vive, mas Cristo vive em mim”.

eu vim para que tenham vida, e vida em abundância.” Jo10:10

eu vim para que tenham vida, e a tenham plenamente.”  (NVI)

III – Como entra nesta vida abundante

Vamos ler atentamente Gálatas 2:20

Fui crucificado com Cristo. Assim, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim. A vida que agora vivo no corpo, vivo-a pela fé no filho de Deus, que me amou e se entregou por mim.

Considero este texto a chave para todo o desvendar de uma verdade das Escrituras: Cristo vive em nós! O centro do texto é realmente a essência da vida abundante, “não sou mais eu quem vive, mas Cristo vive em mim”. Cristo é a vida abundante e esta vida está dentro de mim porque Cristo habita em mim!

As frases ao redor do centro mostram como entrar na vida abundante: “Fui crucificado com Cristo” e “..a vida que agora vivo, vivo pela Fé…”

Por quê há tanta diferença entre a vida que Deus planejou e a nossa realidade? A resposta é simples. É porque ainda somos nós que estamos vivendo !! Precisamos reconhecer e crer sinceramente que “em mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum” (Rm7:18). Mas “Cristo em mim é a esperança da glória” (Cl1:27).

Vamos primeiro ver como entrar, depois trataremos da essência da vida abundante.

1) Fui crucificado com Cristo

Este é o primeiro pré-requisito. Mas o que significa isso? Por que Deus me crucificou?

Rm6:3,5-6

Ou vocês não sabem que todos nós, que fomos batizados em Cristo Jesus, fomos batizados em sua morte? Se dessa forma fomos unidos a ele na semelhança da sua morte, certamente o seremos também na semelhança da sua ressurreição. Pois sabemos que o nosso velho homem foi crucificado com ele, para que o corpo do pecado seja destruído, e não mais sejamos escravos do pecado

Fui crucificado com Cristo significa que estou morto, pois me uni a Ele na Sua morte. Quando fui batizado em Cristo pela fé, a morte dele foi a minha morte. O meu “velho homem” – aquilo que eu realmente sou por natureza, o meu ser natural – foi pregado na cruz com o Senhor Jesus para que não sirva mais ao pecado que está dentro de mim.

O que Deus espera de um morto? O que Ele quer que um morto faça? Que ordem ele quer que um morto obedeça? Qual o padrão de Deus para um morto? Qual a utilidade de um morto?

Temos que compreender o seguinte: se Deus nos crucificou, é por que Ele olhou para nós e não viu nada que pudesse ser aproveitado (Rm3:23), nada que fosse bom (Rm7:18), nada que o agradasse. Só restava fazer uma coisa: crucificar. Se houvesse algo de bom em nós Deus não nos teria crucificado! Ele desistiu de nós, nos declarando inúteis, corruptos e desprezíveis.

Mas por que?! Será que somos mesmo assim?! Vou te contar a história de um querubim (Is14:12-15), criado belo, sábio e formoso, mas que por orgulho e egoísmo se revoltou contra Deus. Ele foi banido dos céus, destituído de toda virtude e tornou-se a personificação de todo mal: Lúcifer ou Satanás ou o Diabo.

Este Anjo Caído passeou pelo Édem e plantou no coração do homem a sua diabólica semente – orgulho, egoísmo e rebeldia (Gn3:1-6), causando uma catástrofe em toda a raça humana (Rm5:12) corrompendo sua natureza, a estrutura interior do homem. Essa semente passou a todos os homens, inclusive eu e você. A natureza humana é diabólica

Agora quero dizer algo pesado, mas que é a pura verdade: o tanto de orgulho que existe em você é o tanto de Anjo Caído que existe em você. O tanto de egoísmo e rebeldia que existe em você é o tanto de Satanás que existe em você. Ou existe alguma outra raiz para estes frutos?

Por isso Deus nos crucificou. Ele não depositou nenhuma esperança na natureza humana caída, Ele a crucificou, matando o velho homem com seus feitos.

A obra consumada da cruz foi realizada pelo Senhor Jesus, mas a aplicação desta obra na vida do crente ficou a cargo do Espírito Santo. É Ele que dia após dia opera esta obra em nós.

Que eu estou morto com Cristo é um fato consumado. Não precisamos pedir a Deus que nos crucifique ou nos ajude a morrer. Ele já fez esta obra. Porém, somente pela FÈ é que esta morte se torna realidade para nós.

A cruz é onde você não vive mais. Está morto. Se Deus desistiu de você, você deve render-se e desistir também. NÃO TENTE VIVER A VIDA CRISTÃ NAS SUAS PRÓPRIAS FORÇAS. Você deve reconhecer duas coisas:

Ricardo de Paula Meneghelli

Você gostou desta mensagem?

0 / 0



Visitado 21 vezes



Deixe um comentário 0

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *