Pregações prontas e curtas para ministrar

GETSÊMANI
Mar. 14:32-42

A história da agonia no Getsêmani é uma das mais fortes, profundas e misteriosas narradas nas Escrituras.
Éden e Getsêmani são significativos!
I – A escolha do lugar.
1. Mostrou Sua serenidade de mente e coragem.
a) Foi o Seu lugar usual de oração.
b) Embora Judas soubesse, Ele foi.
2. Manifestou a Sua sabedoria,
a) Memórias santas ali auxiliaram Sua fé.
b) A profunda solidão foi adaptável às suas orações e intensa tristeza.
3. Ensina-nos algumas lições:
a) Em um jardim o Paraíso foi perdido e ganho,
b) No Getsêmani (lugar de azeitonas) o Salvador foi moído por nós – a carga dos pecados da mundo era enorme e estava sobre Ele.
c) Em nossas aflições devemos recorrer ao nosso grande Deus.
II – O que fez Jesus no Getsêmani.
1. Temos todas as precauções pelos Seus.
a) Convidou-os a vigiar e a orar,
2. Desejou a simpatia dos amigos de lutas.
a) A simpatia é necessária,
3. orou e lutou com Deus.
a) Foi uma luta terrível. – V. 35.
b) Ali esteve em jogo o nosso destino: salvação ou perdição eternas. – V. 36.
Mil Esboços para Sermões 311
c) A agonia de espírito foi grande e inexplicável. – Luc. 22:44; Heb. 5:7.
III – O triunfo no Getsêmani.
1. Jesus lutou com “se isso for possível”, mas conquistou com “não a minha, mas a Tua vontade”.
a) Ele é o nosso (exemplo de resignação e paciência.
2. Um anjo veio animar e confortar o divino padecente.
– Luc. 26:53.
a) Não há Getsêmani sem um anjo.
3. Esse triunfo garantiu-nos a salvação!
Pensemos no Getsêmani.
Sejamos gratos a Jesus pela vitória que Ele por nós ganhou!
Vigiemos e cremos!

A ENTRADA TRIUNFAL DE JESUS EM JERUSALÉM

Mat. 21:1-11; Luc. 19:29-44
I – Por que o Senhor fez este ato público?
1. Encaminhava-se para a morte.
a) Quis fazê-la publica aos milhares em Jerusalém para dar-lhes mais uma oportunidade.
2. Para que Sua morte se tornasse Pública e não viesse a ser negada depois e tirar a desculpa dos homens.
3. Para o cumprimento da profecia divina. – Zac. 9:9.
II – A pobreza voluntária de Jesus.
1. Como entrou em Jerusalém?
a) Da maneira mais pobre possível.
b) Sua vida foi toda de pobreza.
2. Em si a pobreza não é pecado nem defeito.
Mil Esboços para Sermões 312
a) O pobre honrado vale tanto aos olhos de Deus como o rei mais opulento.
3. Quais os troféus de triunfo que acompanhavam a Jesus?
a) O exército era inumerável: cegos, coxos, paralíticos, mudos e os ressuscitados por Ele.
II – A entrada triunfal e as lágrimas de Jesus,
1. O entusiasmo do povo. – V. 9.
a) “Hosana” – “Salva-me” – Reconheciam esta necessidade mas não conheciam seu Salvador.
2. A pergunta feita: “Quem é este?” – V. 10.
a) Triste condição de um tal povo. Jesus “veio para o que era Seu, e os Seus não O receberam”.
3. Por que aquele povo não conheceu a Jesus?
a) Porque era formalista e superficial.
b) Pouco adianta termos dado entrada em nossas casas à imagem de Jesus; o mais necessário é que Ele tenha feito uma entrada triunfante em nossos corações.
4. As lágrimas de Jesus. – Luc. 19:41-44; Mat. 23:37.
a) Chorou devido á incredulidade e hipocrisia do povo – três anos de ensinos e milagres!
b) Será que hoje Jesus ainda chora devido á incredulidade daqueles que vão benzer seus ramos e continuam nos vícios e pecados, não conhecendo o tempo da visitação divina?
5. Jesus ainda passa: como O receberemos? Demos a Ele a entrada condigna no coração. – Apoc. 3:20.
A AGONIA DO GETSÊMANI
Mat. 26:36-46
A história da agonia do Getsêmani é uma das mais profundas e misteriosas! Éden e Getsêmani são bem significativos.
Mil Esboços para Sermões 313
O ambiente do cenáculo ao jardim das oliveiras.
1. Jesus procura, na oração, solução para sua tristeza.
a) A oração é e será o remédio para as aflições humanas. Exemplos: – Jacó, Jó e os mártires do passado.
b) Recorramos a Jesus, que ainda intercede por nós. – Heb. 7:25. – Que o primeiro amigo a quem recorramos seja Jesus!
2. Sua agonia mortal. – V. 38.
a) Foi uma agonia de espírito, pois antevia a cruz.
b) Satanás ali estava para O dissuadir da morte.
c) Ali estava em jogo nossa salvação.
d) A agonia por causa do nosso pecado.
3. A ingratidão das discípulos. – Dormiam.
a) Jesus, só, pisava o lagar. Desejava a simpatia dos amigos.
b) Nas lutas da vida, vigiemos e oremos sempre.
4. O suor de sangue – Ponto culminante da agonia.
a) Foi a grande luta moral e de espírito.
b) O que diz a ciência a Esse respeito.
5. A vitória final.
a) A submissão foi a causa.
b) Morria o “eu” e triunfava “a Tua vontade”.
c) Os anjos vêm confortar o divino sofredor e mostrar o resultado de Sua morte – almas salvas.
d) Este triunfo garantiu-nos a salvação e o Éden perdido,
6. Não há um Getsêmani sem um anjo.
a) Sigamos o exemplo de Jesus na resignação, paciência, e submissão á vontade de Deus.
b) Sejamos gratos a Jesus pela vitória que Ele por nós ganhou.
Vigiemos e oremos!
Heb. 7:25

O ESCÁRNIO DOS SOLDADOS

Mat. 21:11-31,29

A glória de Jerusalém – o orgulho dos judeus, o espetáculo vergonhoso ocorrido nela e o que fez a turba sanguissedenta.
Vamos ao salão da guarda pretoriana e contemplemos o ridículo a que foi submetido nosso Senhor e Salvador.

I – Aprendamos uma lição para nosso coração.
O Senhor da Glória é feito o alvo de zombaria. – Isa. 53:4, 5.
1. Vejamos o efeito do pecado – Tudo sobre Ele.
a) Ridicularizado por Sua loucura (?)
b) Desdenhado por Suas pretensões. Quanto Lhe custou o desejo de querer dominar os corações?
c) Envergonhado por Sua audácia – ser Salvador.
2. Vejamos a baixíssima posição a que, por nossa causa, chegou o Salvador.
a) Foi feito substituto de loucos – assim foi considerado.
b) Foi ridicularizado até pelos soldados da mais baixa esfera moral.
c) Foi feito um Judas para divertimento dos soldados.
3. Vejamos como nosso Redentor nas amava.
a) Suportou e sofreu amargamente até o fim em silêncio, sem que Se queixasse ou maldissesse.
b) Sofreu tudo por amor de ti e de mim.
4. Vejamos os grandes fatos por detrás do desdém.
a) Ele é um Rei em verdade: “Salve Rei”. – V. 29.
b) Ele é glorificado por conquistar as tristezas da Terra,
Foi coroado com espinhos.
c) Ele reina por fraqueza – uma cana foi o cetro,
Ele reina não por força ou violência mas em maldição e amor. O que disse Napoleão.
Mil Esboços para Sermões 315
d) Ele é digno de reverência – diante dEle se ajoelharam; assim é hoje. – Filip. 2:10,11.
5. Vejamos a honra que tributaram a Jesus, e não esperemos, pois, honra para nós neste mundo.
lI – Aprendamos uma lição para nossa consciência.

1. Jesus ainda pode ser zombado.
a) Por escarnecer Seu povo – “Saulo, Saulo, por que me persegues?”
(1) Homens zombam do Mestre nos seus servos.
b) Por desprezar a Sua doutrina e seguir o pecado.
c) Por crer e nunca obedecer.
(1) Isso é desagradável e traz desonra ao Senhor.
d) Por professar e não justificar, muitas vezes estamos expondo o Senhor ao maior ridículo possível.
2. Que fazer se somos culpados de zombar do Senhor Jesus?
a) Não desesperar, mas levantar, confessar e confiar.
b) Não repetir mais a triste ofensa. – Atos 9:6.
c) Não ficar em silêncio, mas proclamá-Lo a despeito das críticas ou perseguições, lembrando-nos de que Ele tudo sofreu por amor de todos nós.

“ESTÁ CONSUMADO!”
Jo. 19:11-30

I – Antecedentes à crucificação.
1. A entrada triunfal em Jerusalém e a aclamação.
2. Jesus chora sabre Jerusalém.
3. Os acontecimentos nos tribunais.
a) Os que O aclamaram antes, agora pedem Sua morte.
b) Jesus sofreu tudo com calma e resignação.
Mil Esboços para Sermões 316
II – Do Tribunal à Cruz.
1. Ensangüentado e fraca, Jesus leva resignadamente a cruz.
a) Devemos levar nossa cruz sem murmuração. Jesus nos deu o exemplo. – I Ped. 2:21.
2. A crucificação e os sofrimentos.
a) Jesus sente-Se só.
b) Sofre sede cruel.
3. O Seu brado: “ESTÁ CONSUMADO!”
a) Tendo completado a obra da redenção, descansa no sábado como Seu pai na obra da criação.
b) Sua morte: Quem morre? Como morre? Por que morre?
III – O que Jesus consumou – Mat. 27:51.
1. Consumou o antigo regime de cultos que consistia em cerimônias que apontavam para Jesus,
a) O caminho ficou aberto ao Pai.
2. Morrendo Jesus, o seu sacrifício tornou-se:
a) Penal – satisfaz a nossa dívida. – Gál. 3:13.
b) Remidor – temos redenção por Seu sangue. – Efés. 1:7.
c) Suficiente – o Seu sangue nos purifica de todo o pecado.
– I Jo. 1:7.
3. Jesus morreu por nós. – I Cor. 15:3; Heb. 4:7.

A MORTE VOLUNTÁRIA DE JESUS
Mar. 15:21-41; Jo. 10:18

I – Foi um cumprimento de profecia.
1. Isaías a predisse. – Is. 53.
2. Simeão a profetizou. – Luc. 2:35.
3. Jesus mesmo a revelou a Seus discípulos. – Jo. 3:14, Luc. 8:31,
Mil Esboços para Sermões 317
II – A resolução efetuando-se.
1. De Jericó a Jerusalém,
2. Na última páscoa.
a) Judas foi enviado a precipitar o fim. – Jo. 13:27,
b) O Mártir encaminhou-se ao encontro de seus algozes. – Jo. 18:1.
3. No jardim de Getsêmani,
a) Jesus Se ofereceu aos inimigos. – Jo. 18:4-8.
b) Não permitiu que os discípulos O defendessem: – Jo. 18:10-11.
III – A última palavra.
1. “O sangue em água”, de Jo. 19:34, mostra que a morte não foi da crucificação.

O PREÇO DA REDENÇÃO
Luc. 23:33-48; I Cor. 7:23

I – Todo o homem se acha empenhado.
1. Ele mesmo se empenhou no Éden,
2. Satanás o levou em penhor.
3. D preço da redenção é a morte,
II – A redenção está ao seu alcance.
1. Só um que não está empenhado pode satisfazer o compromisso.
2. Cristo Jesus é o único que se acha nestas condições.
3. O preço que Ele pagou foi o exigido; dividimo-lo em 5 prestações:
a) O sacrifício do seu trono no céu.
b) Uma vida laboriosa de 33 anos, no meio dos empenhados.
e) Seu sofrimento no Getsêmani,
d) Seu julgamento injusto pelos empenhados.
e) Sua morte horrível, numa cruz.
Mil Esboços para Sermões 318
III – As condições que o Redentor exige.
1. A aceitação daquilo que Ele fez.
2. Uma entrega completa de nosso ser ao Benfeitor.

A CREDIBILIDADE DA RESSURREIÇÃO DE CRISTO – I
I Cor. 15:4; Atos 1:3

O lugar importante da doutrina no sistema cristão.
I – A natureza da ressurreição de Jesus Cristo.
(Elaboração do tema, respondendo à pergunta: O que?)
1. A significação da credibilidade.
2. O significado da ressurreição de Cristo.
Negativamente:
a) Não um desmaio.
b) Não ressurgimento,
c) Não existência continuada unicamente da alma de Jesus.
Positivamente:
a) Uma literal ressurreição física, do corpo de Jesus Cristo, da tumba do jardim de José,
b) Real ressurreição, por virtude de sua missão divina,

II – A prova da ressurreição de Jesus Cristo.

Métodos de prova.
1. Causa e efeito:
Aqui há certos efeitos cujas causas podem ser traçadas unicamente do fato da ressurreição de Jesus Cristo.
a) O sepulcro vazio.
b) O Novo Testamento.
2. Testemunho:
a) O número das testemunhas.
b) A credibilidade das testemunhas.
c) A natureza do fato testemunhado.
Mil Esboços para Sermões 319
d) A falta de motivo para perjurar.
3. Experiência (I Cor. 15:37);
a) De Paulo; dos Coríntios; a nossa.

Você gostou desta mensagem?

0 / 0



Visitado 22 vezes



Deixe um comentário 0

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *