MUÇULMANA É CONDENADA A 12 ANOS DE PRISÃO POR TER SIDO ESTUPRADA

Uma mulher afegã que foi estuprada pelo cunhado, foi condenada a doze anos de prisão. Segundo as leis afegãs, uma mulher estuprada por um homem casado tem direito a decidir se cumpre a pena ou se opta por casar com o estuprador, a fim de recuperar sua honra. O mesmo vale para os casos de adultério.Gulnaz, de 21 anos, estava só em casa quando seu cunhado chegou do trabalho e a violentou. “Ele estava com roupas nojentas, porque trabalha na construção civil. Quando minha mãe saiu, ele foi até a minha casa e fechou as portas e as janelas. Eu comecei a gritar, mas ele me calou, tapando minha boca com as mãos”, relata a afegã.

Porém, com medo de represálias do cunhado e das consequências legais perante as autoridades afegãs, a jovem, então com 19 anos, resolveu ficar em silêncio, até que descobriu a gravidez e foi obrigada a revelar o ocorrido.
Ela e o cunhado foram condenados por adultério, mas para fugir da prisão e poder cuidar da filha, fruto do estupro, Gulnaz aceitou juntar-se ao cunhado, agora, marido. O casamento proporciona que a filha e a mulher sejam aceitas pela sociedade.

O Tribunal em que o caso tramita, na cidade de Cabul, capital do Afeganistão, aceitou somente fazer uma redução da pena de Gulnaz, sob a alegação de que a mulher “demorou demais” a registrar a queixa de estupro, segundo a CNN.

Segundo o Pavablog, Rahmatullah Nazari, porta-voz do Procurador Geral de Cabul, afirmou que informações levantadas durante a investigação mostram que a relação foi consensual, e que a condenação se deu por adultério. “Gulnaz alega que foi estuprada, mas devido ao fato de que ela reportou o crime somente quatro meses depois, não conseguimos encontrar nenhuma evidência do ataque”, ponderou o porta-voz.

Fonte: Gospel+

TAG: MUÇULMANA É CONDENADA A 12 ANOS DE PRISÃO POR TER SIDO ESTUPRADA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.